quinta-feira, 23 de junho de 2016

Tormentas


"Eu faria tudo por quem eu amo. Mesmo que isso signifique ter de matá-los..."
Quantos passos dei
Num caminho sem direção
Afastando-me do destino
Da salvação

Pegando mulambos
Teu corpo,trapos que são
Sofri,chorei
Passei fome
Humilhação
Senti frio
Dor,convulsão 

Carregando um diabo 
Levando salvação 
Era você 
Drogado irmão

Hoje estou salvo na detenção
Você livre
A sete palmos do chão.

- Pedro H. Campos





Mais uma contribuição de um dos meus alunos. Dessa vez foi o Pedro quem nos presenteou com seus versos, cheios de vida própria e propriedade. O Pedro é um jovem cheio de ideias originais e com uma forma bem particular de ver a vida e as situações. Esperamos por mais colaborações, em breve. Obrigado!

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Ao amor que vai chegar: não me recomendo

imagem: weheartit.com

Eu, se fosse você, não tentava. Como não sou, vou apenas te alertar: se não souber - ou não quiser- mergulhar, não invista seu tempo em tentar. Você não vai conseguir me encontrar: não estou na superfície. E, como sei que nem todo mundo tem coragem para entregar-se, não tenho arriscado. Abdiquei da profissão de tentar nadar onde água não há: se oceano não for, não venha uma tempestade procurar. Eu não sei garoar.
Eu não saberia te dizer quantas vezes tentei, foram muitas. Tentei me colocar em uma caixinha e me silenciar: ser como aquela brisa suave que a gente quase não nota, ser a mocinha de um romance que sempre concorda, ser silenciosa como um violão sem cordas. Eu até quis ser uma donzela em perigo que se faria menor para fazer do príncipe maior; quis ficar caladinha e deixá-los argumentar, para que eles tivessem onde se segurar. Mas carrego em mim uma nuvem de emoção: eu chovo comoção.
Estou sempre transbordando opiniões, ideias e aspirações. Sempre lançando indagações, inquietudes e definições. Sempre descobrindo novas maneiras de ser, de me encontrar e me esconder. Sempre construindo hesitações, muros e questões. Sempre refletindo sobre esse incessante tumulto que sou: uma montanha-russa de sentimentos que em um segundo ama com vigor, no seguinte já segue sem alento. 
Espero não assustar você, mas alguém teria que falar: eu não sou de calar. Estou sempre a comprar uma ou outra briga em nome do que acredito e do que defendo; busco sempre gritar em meu nome, e em nome daqueles precisam se expressar, até que alguém possa me escutar; falo, muitas vezes, sem pensar e fujo, constantemente, quando deveria falar. Esbravejo, bato o pé, vou à TV, à imprensa, à Lua, não temeria em gritar no meio da rua: a gente não pode fugir do que é. 
Essas metades, meias verdades e fracas vontades não me servem, aliás, não me cabem. Comigo é tudo ou nada, é ir ou ficar, é mergulhar ou se afastar. Portanto, se essa tendência à dramaticidade te assustar - ou não te interessar - eu, sinceramente, não vou te mandar para a fogueira, só peço que não apareça do lado de cá - que é o lado onde tudo acontece: tem muito choro mas tem muito amor, tem muito drama e muito vigor. Então, se o seu coração for daqueles quietinhos, que temem se afogar, vou te avisar: não precisa nem tentar, meu bem, quem está na chuva é para se molhar. 

Ane Karoline

sexta-feira, 17 de junho de 2016

No meio


"Absorto em seu silêncio, não ouviu a dor chamar"

   Estava no meio
        Não sentia e nem estava vazio
            Ouvia mas não escutava
                Enxergava mas não via
                   Pela manhã pensava na vida
                     Ao dormir parecia estar de manhã
                       Vivia cada dia pelo próximo
                          Não estava em lugar nenhum
                              Estava no meio
                                 Um lugar onde não havia amor
                                   Um lugar onde havia apenas ele
                                      Cercado por multidões de pessoas vazias
                                         Apertava sua tampa para não transbordar
                                           Adequou a programação
                                              Se encaixava perfeitamente
                                                Nem parecia que havia algo errado
                                                  De tão bem que se encaixou
                                                    E se enquadrou
                                                      Notou onde estava
                                                        Naquele equilíbrio
                                                          Onde o amar não mais feria
                                                            Seus pensamentos estavam límpidos
                                                              Ele tinha tempo para se viver
                                                                E viveu
                                                                  Aproveitou cada segundo do tempo de paz
                                                                    Temendo o momento em que acabasse
                                                                       Em que tudo aquilo voltaria a atormentar
                                                                         Viveu, sorriu, continuou
                                                                             Benefícios da vida azul
                                                                                E tudo foi calma, tranquilidade
                                                                                  Ao menos naquele momento
                                                                                    A tormenta passara
                                                                                       E apenas o som do mar
                                                                                          Embalou seu sono
                                                                                            Não queria mais nada
                                                                                              Tudo era estável
                                                                                                 Se pudesse pedir algo
                                                                                                   Seria que a calmaria
                                                                                                     Durasse um pouco mais

                                                                                                                    Paz
Adolfo Rodrigues

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Self


"Existia eu em mim, só não sabia me encontrar"
Olha para os céus
Impede as lágrimas de cair
Fecha as mãos em punho
Para que não o vejam tremer
Respira fundo
Para não desmaiar

Então abaixa a cabeça de novo
Os olhos fechados
Mente a si mesmo que consegue
Abre os olhos
Evita o contato visual
Sorri e mente

Diz que está tudo bem
Que entende e que não tem problema.
O interior sendo consumido pelo vazio
A dor arrastando as garras dentro dele
A garganta inchada
Mas o sorriso era a máscara

Arruma o cabelo, cruza os braços
Muda de assunto
Tenta fugir
Parece normal, aceitou bem
É maduro e vai superar
Mas isso é só a casca

Chora no banho para não ser ouvido
Escreve para dar vazão
Encara o teto procurando sentido
Abre a porta para a solidão
Dorme com tamanha exaustão
Tem pesadelos de agonia

Acorda como se nada tivesse acontecido
Mas logo é atingido pela realidade
E sangra a tristeza pelo olhos
Não anda, se arrasta
Respira fundo antes de sair
Escolhe o sorriso de hoje com cuidado

Só vai tirá-lo quando estiver sozinho

Adolfo Rodrigues

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Poucas Palavras

Créditos na imagem

Eu tenho poucas palavras, mas muito fascínio
Ela merece mais que um poema, merece livros
A beleza dessa menina conflita meu raciocínio
Me fará correr na chuva e dar flores aos vivos
Ela me ensina as melhores coisas dessa vida
Como é que faz pra contar estrelas e encontrar
Aquela que é a mais bonita, nossa preferida
Que o melhor tempo é o que deixamos passar
Ela é complexa demais pra caber numas rimas
Onírica demais pra métrica de uma poesia
Mas é simples como aquele azul tênue da Lua
Um poema que Drummond chamou de azia
Aquele sussurro de borboleta que me atenua
Aquela canção das sereias do rio Amazonas
A desordem de andorinhas ao léu, brincalhonas
Ela não para quieta pra caber dentro dum livro
Mas encontro uma pegada dela em cada poema
Ela me beija e de repente me sinto mais vivo
Se dane o filme, ela fica linda na cadeira do cinema
Vamos sair sozinhos pra esquecer desse mundo
Ouvir o vento uivar olhando o céu profundo
Sentir o cheiro do mar e contar uns segredos
Abrir as asas desnudas, deixar cair esses medos
Quebrados, os cacos dos receios e preceitos
Rotos no chão, liberam o amor e o pensamento
Pulsa um bom sentimento, um desses sem nome
Que ouço cantar repouso do alto dos seus peitos
Que não são seios, pois toda palavra é desnuda
Vendo que tão alto estamos, nos inveja Buda
Eu olho e beijo a cor daquela boca carnuda
Até o fim do que não tem fim, que Deus nos acuda.

Daniel Canhoto


   Hoje foi a vez do Daniel Canhoto dar sua contribuição para o blog. Quer conhecer mais sobre ele? Entre lá no tumblr dele, o Poesia Lúdica e poderá conhecer melhor esse jovem autor. Esperamos mais contribuições dele, em breve. Obrigado, Daniel!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Envolvimento


imagem: fanpage "hm, sei lá"

Eram duas. As duas, juntas, não somavam 100 kg e nem 40 anos de vida. Inquietas, tentavam falar baixo na medida em que o zum zum zum do ônibus permitia. Uma loura, a outra morena - a segunda mais cabisbaixa. Eu as observava como quem esquece os fones de ouvido e, para distrair-se, põe-se a observar a vida alheia. 
- E vocês, como estão?  - ouvi a loura perguntar cautelosa.
Logo deduzi de que tipo de "vocês" se tratava.
- Ah...
- Mas de novo?
- Não. - suspirou e colocou uma mexa do cabelo castanho atrás da orelha - agora acabou mesmo.
Os tempo que passaram calada, depois disso, só me fez perceber o meu grau de envolvimento e de interesse para com a prosa.
-Poxa - a lourinha, finalmente, disse - mas vocês nem conversaram?
Traição, pensei.
- E desde quando ele me ouve? Ou me responde?
Fui juntando as peças: o cara não estava interessado, não queria conversar.
-Talvez seja melhor assim. -sorriu, tentando animar a outra.
Comemorei: isso! Mostra para ela que alguns começos vêm disfarçados de finais.
- É...
- Mas você ainda poderia chamá-lo para conversar - tentava animar a outra a todo custo.
- Ele não quer.
- Tem certeza?
Comecei a me inquietar. A conversa estava indo para um rumo que levaria a mocinha a pedir, provavelmente pela milésima vez, para alguém voltar.
- Acho que tenho. Ele foi me direto. 
Roí uma unha, e olhei de relance para elas. Percebi que ela estava começando a pensar no assunto.
- Será que não vale a pena tentar mais uma vez?
- Não sei... Será?
Pronto. Lá ia atrás dele. Cutuquei outra unha, impaciente. 
- Ah, vale sim! Quem sabe ele não está só esperando você ligar?
- Ele ligaria se quisesse - foi da senhora sentada à frente das meninas que veio a resposta que eu queria ter dado.
As meninas se entreolharam confusas mas a senhora não pareceu constrangida e continuou.
- Não conheço os detalhes da sua novel mas esteja certa de que se ele quisesse, ligaria. Se você deu de si o que tinha e ele não se envolveu, se não achou suficiente, você tem que partir. Eu, que não te conheço, não pude deixar de me envolver com a conversa por que a gente se envolve com tudo! Se com ele não aconteceu, se ele não se envolveu, esse lugar não é seu.
Eu, que à essa altura já acompanhava o desenrolar da cena descaradamente, não pude deixar de notar os olhos das mocinhas brilhando com as lágrimas da emoção da gratidão e da dor da compreensão. Não falei com elas e não sei, então, qual foi o fim. Mas, dali, peguei algo para mim:  entre tanta gente disposta a nos escutar, por que temos escolhido quem por nós não se permite afetar?

Ane Karoline

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Estou cansada de me desculpar por sentir sua falta



Vá em frente. Me chame de patética, louca, masoquista ou ridícula por estar esperando por alguma coisa que não existe. Revire os olhos e diga-me que não consegue entender. Me julgue por admitir que ainda fico sentada, acordada durante a noite e esperando que você esteja pensando em mim também. Sério, pode rir. 
Diga o que você tiver que dizer. Diga em alto e bom som. Diga que eu já deveria ter superado tudo. Diga que estou me martirizando. Diga que tudo isso é só perca de energia. Diga o que vier à sua mente sobre o fato de que eu estou admitindo abertamente que algumas vezes queria que você estivesse comigo, ao redor da fogueira contando suas histórias e que algumas vezes, quando eu escuto seu nome, meu coração ainda engasga.
Tudo bem. Eu sinto sua falta e não me sinto mal por isso.
Eu acho que está escrito em algum lugar que, uma vez que você segue em frente, uma vez que você se cura de ter sido machucado, você não é mais permitido a sentir falta de quem esteve com você. É como se um dia você fosse acordar e *PUF* ter superado tudo e nunca mais ficar triste sobre isso novamente. Parece que existe uma data limite para a solidão, para a nostalgia, para aquela sensação inexplicável de querer ligar e contar as novidades. É como se depois dessa data limite, desse mágico *PUF* você nunca mais fosse sentir nada disso. Você estaria livre de todos esses sentimentos e não se sentiria triste novamente. 
Mas é uma grande mentira. Uma completa e estúpida mentira.
Quando você ama alguém, e o ama profundamente, esse alguém está conectado a você. Se torna sua casa, sua tranquilidade e seu centro. Então, quando essa pessoa se vai, é natural que você sinta falta dela. É totalmente natural sentir saudades de lugares e de pessoas. Não é algo bom. Não é algo ruim. Apenas é. 
Sendo assim, algumas vezes, não há nada que eu possa fazer, eu sinto a sua falta. 
Não o tempo todo. Não, eu não estou ansiando por você a todo minuto, todos os dias. Eu não estou obcecada, não estou louca, nem depressiva e nem doente em um estado de solidão miserável. Mas algumas vezes eu sinto sua falta. Alguma coisa maravilhosa acontece e eu quero correr e te mostrar. Alguma coisa ruim acontece e eu quero ouvir sua voz me tranquilizando e dizendo que, de alguma forma, vai ficar tudo bem. Quando algo novo surge em minha vida eu tenho o impulso de conversar com você sobre isso e ouvir sua opinião. Algumas vezes eu, simplesmente, sinto sua falta.
E, quer saber? Estou cansada de tentar esconder isso.
Estou cansada de pensar que só por que estou triste, sinto falta de alguém ou só por que queria que as coisas não fossem como são, isso me torna fraca ou patética. Estou cansada de engolir coisas que me são fardos com o interesse de não parecer ridícula. Estou cansada de fingir que não sinto a sua falta só por que em algum momento alguma regra de etiqueta, alguma regra de "quem se importa menos" decidiu que eu não deveria. 
Você foi uma parte da minha vida. Você foi alguém importante para mim, alguém com quem me importei. Você foi alguém digno de ser lembrado. Eu me recuso a acreditar que empurrar as memórias para baixo da cama, fingindo que momentos nostálgico não estão em minha mente, fingindo que não sinto sua falta e do que fomos e do que poderíamos ter sido, pode ser mais saudável que, simplesmente, admitir a verdade. 
Sinto sua falta e não me envergonho disso. Sinto sua falta por que eu te amei. E se isso me torna patética, em seu ponto de vista, então, sou patética. 

TEXTO EXTRAÍDO DO SITE THOUGHT CATALOG E TRADUZIDO POR Ane Karoline.
LINK DO TEXTO ORIGINAL - em inglês.